Trump sugere que FBI pode ter plantado evidências durante busca em sua residência

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, reclamou na quarta-feira, 10 de agosto, que foi impedido de entrar em sua casa na Flórida e sugeriu que agentes do FBI pode ter “plantando” evidências durante operação de busca e apreensão.

“O FBI e outros do governo federal não permitiram que ninguém, incluindo meus advogados, ficasse perto das áreas que foram vasculhadas e examinadas durante a operação em Mar-a-Lago”, postou Trump em sua plataforma Truth Social.

“Todo mundo foi convidado a deixar o local, eles queriam ficar sozinhos, sem testemunhas para ver o que estavam fazendo, pegando ou, espero que não, ‘plantando’”.

O FBI até o momento se recusou a fornecer detalhes sobre a operação na residência de West Palm Beach.

O Juiz

O juiz que teria autorizado a operação de busca e apreensão do FBI na residência de Donald Trump, em Mar-a-Lago, Flórida, já foi ligado a Jeffrey Epstein, informou o The New York Post.

Na segunda-feira, 8 de agosto, o juiz Bruce Reinhart foi quem assinou o mandado de busca e apreensão na propriedade do ex-presidente no sul da Flórida, segundo o jornal.

A operação foi realizada para descobrir se Trump levou registros confidenciais da Casa Branca para sua casa.

Elo com Epstein

O juiz renunciou como procurador local dos EUA em 2008 para representar funcionários de Jeffrey Epstein.

Ele disse ao Miami Herald que representou os pilotos de Epstein, uma secretária de Epstein, Sarah Kellen, e a “escrava sexual iugoslava” de Epstein, Nadia Marcinkova.

Doações para Obama

Dez meses depois de começar a trabalhar para os co-conspiradores de Epstein, de acordo com registros da Comissão Eleitoral Federal, Reinhart doou US$ 1.000 diretamente para a campanha de Obama e outros US$ 1.000 para seu braço de arrecadação de fundos, o Obama Victory Fund. Embora os registros mostrem que o juiz fez principalmente doações de pequenos dólares para o comitê de ação política de seu escritório de advocacia nos anos seguintes, Reinhart também doou US$ 500 para a campanha presidencial de Jeb Bush em 2016 em novembro de 2015.

O Mandado

Reinhart é um dos três magistrados federais que atuam nos escritórios de West Palm Beach do Tribunal Distrital dos EUA para o Distrito Sul da Flórida.

O juiz recebeu dois pedidos de mandado na segunda-feira, 8 de agosto, que entraram no sistema judicial, informou o Miami Herald.

No entanto, as informações sobre os mandados e seus alvos foram mantidos em sigilo. Reinhart também emitiu outro mandado na sexta-feira anterior, mas o conteúdo também era confidencial.

O juiz foi acusado de violar as políticas do Departamento de Justiça por meio do uso de informações privadas de seu emprego anterior para ajudar o setor privado, informou o Daily Mail. Ele negou todas as acusações em um depoimento de 2011.

Rede Social do Juiz

Em uma postagem no Facebook, Reinhart escreveu: “Geralmente ignoro os tweets do presidente eleito, mas não este. John Lewis, sem dúvida, fez mais para ‘tornar a América grande’ do que qualquer cidadão vivo”.

“Em agosto passado, levei meu filho à ponte Edmund Pettus em Selma para que ele pudesse entender o tipo de coragem e sacrifício necessários para viver em uma sociedade democrática. John Lewis encarna esse espírito”, acrescentou. “Embora eu nunca o tenha conhecido, ele é um dos meus heróis.”

Em 2017, Trump twittou: “O congressista John Lewis deveria gastar mais tempo consertando e ajudando seu distrito, que está em péssimas condições e caindo aos pedaços (sem mencionar o crime infestado) em vez de reclamar falsamente dos resultados das eleições. Fala, fala, fala – nenhuma ação ou resultados. Triste.” Lewis representou o 5º distrito da Geórgia de 1987 até sua morte em 2020.

Todos Direitos Reservados. Conteúdo originalmente publicado no portal Direto da América (C) em www.DiretoDaAmerica.us

LEIA TAMBÉM

Leia também