RUSSIAGATE: Democratas pagaram para espionar Trump na campanha e na Casa Branca, diz líder do caso

Os advogados da campanha de Hillary Clinton pagaram a uma empresa de tecnologia para “infiltrar-se” em servidores pertencentes à Trump Tower e, mais tarde, à Casa Branca, a fim de estabelecer uma “inferência” e “narrativa” para levar às agências governamentais ligarem Donald Trump à Rússia, diz moção do promotor especial John Durham, com informações da Fox News.

Durham apresentou a moção em 11 de fevereiro focada em potenciais conflitos de interesse relacionados à representação do ex-advogado de campanha de Clinton Michael Sussman, que já foi acusado de fazer uma declaração falsa a um agente federal. Sussman se declarou inocente na ocasião.

A acusação contra Sussman alega que ele disse ao então conselheiro geral do FBI James Baker em setembro de 2016, menos de dois meses antes da eleição presidencial de 2016, que não estava trabalhando “para nenhum cliente” quando solicitou e realizou uma reunião na qual apresentou “supostos dados e ‘papéis brancos’ que supostamente demonstraram um canal de comunicação secreto” entre a Trump Organization e o Alfa Bank, que tem ligações com o Kremlin.

As constatações de Durham apontam que os “registros de cobrança de Sussman refletem” que ele “cobrou repetidamente a campanha de Clinton por seu trabalho nas alegações do Banco Russo-1“.

“Em conexão com esses esforços, o Tech Executive-1 explorou seu acesso a dados não públicos e/ou proprietários da Internet”, afirma o documento. “O Tech Executive-1 também contou com a assistência de pesquisadores de uma universidade sediada nos EUA que estavam recebendo e analisando grandes quantidades de dados da Internet em conexão com um contrato de pesquisa de segurança cibernética do governo federal pendente”.

O Tech Executive-1 encarregou esses pesquisadores de minerar dados da Internet para estabelecer ‘uma inferência’ e ‘narrativa’ ligando o então candidato Trump à Rússia”, afirma Durham. “Ao fazer isso, o Tech Executive-1 indicou que estava procurando agradar certos ‘VIPs’, referindo-se a indivíduos do Escritório de Advogados-1 e da campanha de [Hillary] Clinton.”

Durham também escreve que durante o julgamento de Sussman, o governo estabelecerá que entre os dados da Internet que o Tech Executive-1 e seus associados exploraram estava o tráfego de Internet do sistema de nomes de domínio (DNS) pertencente a “(i) um provedor de saúde específico, (ii) Trump Tower , (iii) o prédio de apartamentos Central Park West de Donald Trump e (iv) o Gabinete Executivo do Presidente dos Estados Unidos (EOP).”

Reação de Trump

O ex-presidente Donald Trump reagiu às revelações na noite de sábado (12), dizendo que os registros de Durham “fornecem evidências indiscutíveis de que minha campanha e presidência foram espionadas por agentes pagos pela campanha de Hillary Clinton em um esforço para desenvolver uma conexão completamente fabricada com a Rússia”.

“Este é um escândalo muito maior em escopo e magnitude do que Watergate e aqueles que estavam envolvidos e sabiam sobre essa operação de espionagem deveriam estar sujeitos a processo criminal”, disse Trump. “Em um período de tempo mais forte em nosso país, esse crime seria punível com a morte.”

Trump acrescentou: “Além disso, as reparações devem ser pagas àqueles em nosso país que foram prejudicados por isso”.

Em abril de 2019, Durham foi designado pelo então procurador-geral Bill Barr para investigar as origens da investigação do FBI sobre a suposta interferência russa nas eleições de 2016 nos Estados Unidos e, em outubro de 2020, foi nomeado Conselheiro Especial do Departamento de Justiça sobre esses assuntos.

As informações são da Fox News.

LEIA TAMBÉM

Leia também