RussiaGate: Começa Julgamento De Advogado Da Campanha de Hillary

O resultado do julgamento do advogado da campanha de 2016 de Hillary Clinton, iniciado nesta segunda-feira, 16 de maio, em Washington D.C. – o primeiro julgamento resultante dos esforços do procurador especial John Durham – será um teste de seu trabalho e um potencial prenúncio da eleição de 2024, segundo observadores.

“Se [Michael] Sussmann, um dos principais advogados de campanha de Hillary Clinton, for condenado, isso confirmará ainda mais que Trump é uma vítima de crime”, disse Tom Fitton, presidente do Judicial Watch.

“Eu esperaria que ele continuasse dizendo que [o governo] o espionou ilegalmente e que Hillary fez isso. E se Clinton concorrer, é ainda mais provável que essa mensagem anticorrupção esteja na frente e no centro.”

Sussmann supostamente enganou autoridades alegando que ele não estava “agindo em nome de nenhum cliente” quando ele entregou três “papéis brancos” e dois pen drives que supostamente apontavam para um canal secreto entre um servidor da Trump Organization e o Alfa Bank, da Rússia, agora sob sanções dos EUA por causa da invasão da Ucrânia.

O especialista em segurança cibernética também compartilhou as alegações explosivas com repórteres, resultando em um artigo da revista Slate – publicado apenas oito dias antes da eleição – que foi avidamente aproveitado por Hillary, que twittou: “É hora de Trump responder a perguntas sérias sobre seus laços com Rússia.”

Mas uma investigação do FBI descobriu “que o servidor de e-mail em questão não era de propriedade ou operado pela Trump Organization, mas sim administrado por uma empresa de marketing que enviava anúncios dos Hotéis Trump e centenas de outros clientes”, de acordo com a acusação contra Sussmann.

Em 2021, o primeiro réu acusado por Durham – o ex-advogado do FBI Kevin Clinesmith – foi condenado a um ano de liberdade condicional depois de se declarar culpado de adulterar um e-mail para renovar uma escuta telefônica contra o ex-assessor de campanha de Trump Carter Page.

Também em 2021, Durham acusou um analista da Rússia que era uma fonte do dossiê Steele de mentir para o FBI sobre suas próprias fontes de informação – entre elas, uma apoiadora de longa data de Hillary Clinton. Igor Danchenko se declarou inocente. O caso está pendente e deve ser julgado em outubro.

LEIA TAMBÉM

Leia também