Economia dos EUA encolhe 1,4% e preocupa democratas em ano de eleições

Atividade econômica americana recuou a uma taxa anualizada de 1,4% no primeiro trimestre do ano, uma forte reversão em relação ao ano passado.

O pacote de alívio de coronavírus de US$ 1,9 trilhão de Biden deveria impulsionar a economia a novos patamares, segundo a promessa democrata, ao ponto de poderem vender a conquista aos eleitores nas eleições de meio de mandato deste ano.

O maior obstáculo para o desempenho do PIB foi o aumento nas importações, além de uma queda acentuada nos estoques das empresas no país.

“O que você está vendo é um enorme crescimento no país que foi afetado por tudo, desde o COVID e os lockdowns do COVID que ocorreram ao longo do caminho”, disse o presidente Joe Biden, ao tentar desviar da responsabilidade.

A gestão Biden vem sendo marcada por altíssimos gastos públicos, o que contribuiu fortemente para a alta da inflação no país, a maior em 40 anos. As ações anti-petróleo da administração democrata também preocupam o mercado. Logo no início de seu mandato, Biden suspendeu as obras de um dos maiores investimentos no setor, o oleoduto Keystone Pipeline XL, que ligaria a indústria do petróleo em Houston, no Texas, ao Canadá.

Ao mesmo tempo, o Federal Reserve está aumentando as taxas de juros de referência para reduzir a inflação histórica no país. Somente neste ano, o FED deve realizar sete aumentos na taxa básica de juros, conforme noticiado anteriormente pelo Direto da América.

- PUBLICIDADE -

ÚLTIMAS