Relatório identifica influência da China no Fed americano

Um relatório divulgado na terça-feira, 26 de julho, por senador revela que a China mirou o Federal Reserve por quase 10 anos, trabalhando para recrutar e influenciar funcionários para obter informações e benefícios monetários além de influenciar a política monetária dos EUA.

O relatório do senador republicano Rob Portman, do Comitê de Segurança Interna e Assuntos Governamentais do Senado, se concentra no que ele descreve como esforços chineses para recrutar talentos americanos, oferecendo perspectivas de emprego, cargos acadêmicos e oportunidades econômicas e de pesquisa.

Jerome Powell

Em uma carta ao senador Rob Portman, o presidente do Fed, Jerome Powell, escreveu que tinha “fortes preocupações” sobre as descobertas, incluindo alegações de que o Fed não havia trabalhado com a polícia para evitar influências externas.

“Valorizamos nossas interações com a comunidade policial e não hesitaríamos em encaminhar um assunto a eles ou procurar conselho quando apropriado. Estaríamos preocupados com qualquer alegação de irregularidade, qualquer que seja a fonte”, escreveu ele a Portman. “Em contraste, estamos profundamente preocupados com o que acreditamos ser insinuações injustas, infundadas e não verificadas do relatório sobre determinados membros da equipe.”

As conclusões do relatório são baseadas em dados de contra-inteligência do Fed e detalham uma variedade de ações dos funcionários que colocaram a instituição em risco. Ele identifica 13 pessoas, representando oito bancos regionais do Fed, como tendo conexões com conhecidos recrutadores de talentos chineses ou “padrões semelhantes de atividade”.

Aproximações Agressivas

Em uma série de eventos um funcionário do Fed foi detido em quatro ocasiões diferentes durante uma viagem a Xangai em 2019. Autoridades chinesas ameaçaram a família do funcionário, grampearam seus dispositivos eletrônicos e tentaram forçá-los a assinar uma carta afirmando que não revelariam as interações com o Partido Comunista Chinês, de acordo com o relatório.

Outro funcionário forneceu código de modelagem para uma universidade chinesa ligada a uma agência chinesa de recrutamento de talentos.

Ainda outro indivíduo, com “contatos contínuos com cidadãos e universidades chinesas”, tentou duas vezes transferir dados do Fed para um site externo.

Portman, que já liderou outras investigações sobre esforços de recrutamento da China nas áreas de tecnologia e ciência, instou o Fed a “fazer mais” para se proteger.

“Estou preocupado com a ameaça ao Fed e espero que nossa investigação, que é baseada nos próprios documentos do Fed e corresponde às avaliações e recomendações feitas pelo FBI, desperte o Fed para a ampla ameaça da China à nossa política monetária”, disse em um comunicado.

DDDDDDD

LEIA TAMBÉM

Leia também