Iraquiano é preso dentro dos EUA planejando o assassinato de George W. Bush usando a fronteira com México

Um cidadão iraquiano que entrou nos EUA em setembro de 2020 supostamente planejou matar o ex-presidente dos EUA, George W. Bush; o terrorista viajou até Dallas, no Texas, para espionar a casa do republicano.

O FBI alega que Shihab Ahmed Shihab, de Columbus, Ohio, queria fornecer apoio material ao grupo terrorista Estado Islâmico, dizendo a uma fonte confidencial do FBI que queria contrabandear pessoas para o país “para assassinar o ex-presidente George W. Bush” porque ele o responsabilizou por matar vários iraquianos na invasão do país em 2003.

A informação foi noticiada primeiro pela Forbes. Dallas é a cidade onde o então presidente John Kennedy foi assassinado em 1963.

Shihab pagaria pelo menos US$ 15.000 para contrabandear quatro ex-membros do partido Baath localizados no Iraque, Turquia, Egito e Dinamarca para os EUA para realizar o atentado contra o ex-presidente.

Segundo a Forbes, Shihab tem um pedido de asilo pendente nos EUA.

Um porta-voz de Bush disse em um comunicado na terça-feira, 24 de maio, que o ex-presidente não estava preocupado.

“O presidente Bush tem toda a confiança do mundo no Serviço Secreto dos EUA e em nossas comunidades policiais e de inteligência”, disse o chefe de gabinete do ex-presidente, Freddy Ford.

O plano do terrorista, de acordo com o mandado obtido pela publicação, era obter vistos de turismo para o México para os agentes do ISIS, usando informações de passaporte que ele enviaria ao informante por WhatsApp, antes de levá-los à fronteira.

Enquanto isso, ele estava se comunicando com um contato no Egito por meio de um perfil falso do Facebook, que trazia uma foto de perfil de duas mãos individuais segurando uma rosa, projetada para parecer romântica e “não suspeita”, de acordo com a conta do FBI. Em 2021, o FBI conseguiu um mandado para investigar essa conta do Facebook, embora não esteja claro o que eles obtiveram.

Enquanto as fontes do FBI que tinham contato próximo com o iraquiano transmitiam o que tomavam conhecimento pelo WhatsApp ao longo de 2021 e 2022, elas também estavam gravando secretamente as reuniões pessoais com o suposto conspirador nas quais detalhes adicionais surpreendentes foram revelados, de acordo com o FBI.

Em uma conversa de dezembro, de acordo com o mandado, o suspeito alegou ter acabado de contrabandear dois indivíduos associados ao Hezbollah – uma organização terrorista para os dentro dos EUA por uma taxa de US$ 50.000 cada.

Fronteira EUA-México

“Impressionante”, tuitou o senador Ted Cruz. “Este relatório bombástico coloca em termos absolutos a necessidade de proteger a fronteira AGORA. #BidenBorderCrisis”

O senador texano John Cornyn twittou um link para a história da Forbes, destacando uma citação em particular: “recrutando ajuda de uma equipe de compatriotas que ele esperava contrabandear para o país pela fronteira mexicana”.

Cornyn retweetou o deputado federal de San Angelo, Texas, August Pfluger: “A Forbes está relatando um conspirador do ISIS planejado para assassinar George W. Bush com compatriotas iraquianos contrabandeados através da fronteira EUA-México. A ameaça do terrorismo devido à nossa fronteira sul porosa cresce a cada dia. Nós devemos proteger nossa fronteira.”

Muitos expressaram indignação semelhante, com o representante federal de Austin Chip Roy twittando: “Bem, felizmente – de acordo com @AliMayorkas – temos controle operacional total da fronteira sul e está totalmente segura – então absolutamente zero pessoas associadas a terroristas estão explorando isso!, ” referindo-se ao secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas.

LEIA TAMBÉM

Leia também