EUA vão sancionar Putin e Lavrov; Rússia ameaça ação militar na Suécia e Finlândia

Os EUA vão sancionar o presidente russo, Vladimir Putin, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e membros da equipe de segurança nacional da Rússia, disse na sexta-feira (25) a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki.

Sancionar Putin visa, segundo a administração Biden, isolar politicamente o presidente no cenário mundial.

As sanções congelariam quaisquer bens que Putin tenha em âmbito jurisdicional dos EUA, impedindo negócios e transações financeiras com ele e impedindo viagens do líder russo para ou através dos EUA.

Se sancionado, Putin se juntaria à líderes como o aiatolá iraniano Ali Khamenei, o norte-coreano Kim Jong Un e o venezuelano Nicolás Maduro, todos na lista de sancionados pelos Estados Unidos.

ARTIGO 5° DA OTAN. O presidente Joe Biden voltou a reiterar na sexta-feira (25) que o compromisso dos EUA em proteger seus aliados da OTAN está “blindado”.

“Como eu disse ontem, os Estados Unidos defenderão cada centímetro do território da OTAN. Nosso compromisso com o Artigo 5 é firme”, disse Biden em um comunicado após participar de uma reunião virtual com os países da OTAN na sexta-feira.

Ontem, Biden também confirmou o envio de mais soldados americanos para a Europa, conforme já noticiou o Direto da América. O Secretário de Defesa Gen. Lloyd Austin disse que o Pentágono vai enviar 7 mil soldados americanos para a Alemanha.

“Se [o presidente russo Vladimir Putin] se movimentar para os países da OTAN, nos envolveremos”, disse Biden na quinta-feira (24). “A boa notícia é que a OTAN está mais unida e determinada do que nunca.”

Mas a OTAN anunciou em 25 de fevereiro que, pela primeira vez na história, enviaria partes de sua força de resposta pronta para o combate para o leste europeu como medida de precaução.

A OTAN disse que continuará enviando armas para a Ucrânia, incluindo defesa aérea, embora não tenha se comprometido a enviar tropas para dentro do território ucraniano.

O Artigo 5° da OTAN determina que um ataque contra um país membro da aliança é um ataque contra todos os países membros, forçando uma resposta em conjunto contra a ameaça.

ALÉM DA UCRÂNIA? O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, disse na sexta-feira (25) que não está claro se o presidente russo, Vladimir Putin, tem outros planos além da invasão na Ucrânia.

“Não está totalmente claro se Putin tem projetos além da Ucrânia”, disse Kirby. “E é porque isso não está perfeitamente claro que continuamos procurando maneiras de reforçar nossas capacidades da OTAN e tranquilizar nossos aliados. Quero dizer, uma das razões pelas quais estamos fazendo isso é porque queremos deixar claro para ele que nós defenderemos cada centímetro do território da OTAN.”

PUTIN AMEAÇA SUÉCIA E FINLÂNDIA. A Rússia ameaçou “consequências militares e políticas” contra a Finlândia e a Suécia na sexta-feira (25) se tentarem se juntar à OTAN.

“A Finlândia e a Suécia não devem basear sua segurança em prejudicar a segurança de outros países e sua adesão à OTAN pode ter consequências prejudiciais e enfrentar algumas consequências militares e políticas”, disse Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores.

O perfil no Twitter do Ministério das Relações Exteriores da Rússia confirmou a ameaça contra as duas nações europeias.

LEIA TAMBÉM

Leia também