EUA ordena partida de corpo diplomático da Ucrânia e move embaixada para região próxima da Polônia

O Departamento de Estado americano ordenou no sábado (12) que a maior parte dos seus funcionários da embaixada na Ucrânia deixem o país imediatamente. Embaixada será transferida para cidade próxima da fronteira com a Polônia e vai operar somente serviços de emergência.

A decisão , segundo o Departamento de Estado, é por causa da “contínua ameaça de ação militar russa”. O comunicado reitera que cidadãos dos EUA não devem viajar para a Ucrânia, e os que estão na Ucrânia devem partir imediatamente usando opções de transporte comerciais ou outras disponíveis.

O Departamento autorizou anteriormente a saída voluntária de funcionários contratados diretos dos EUA e ordenou a saída de familiares de funcionários em 23 de janeiro de 2022, conforme noticiou o Direto da América.

A partir de domingo, 13 de fevereiro de 2022, o Departamento de Estado suspenderá os serviços consulares na Embaixada dos EUA em Kiev. A Embaixada manterá uma pequena presença consular em Lviv, na Ucrânia, para lidar com emergências, mas não poderá fornecer passaporte, visto ou serviços consulares de rotina.

“Há relatos contínuos de um aumento militar russo na fronteira com a Ucrânia, indicando potencial para uma ação militar significativa contra a Ucrânia. As condições de segurança, particularmente ao longo das fronteiras da Ucrânia, na Crimeia ocupada pela Rússia e no leste da Ucrânia controlado pela Rússia, são imprevisíveis e podem se deteriorar com pouco aviso.“, diz o comunicado.

O comunicado reafirmou que o EUA não vai conduzir nenhuma operação de evacuação para salvar americanos que decidirem ficar na Ucrânia após o início de uma ação militar russa contra o país.

“Os cidadãos dos EUA na Ucrânia devem estar cientes de que o governo dos EUA não poderá evacuar cidadãos dos EUA em caso de ação militar russa em qualquer lugar da Ucrânia.”

O secretário de Estado Antony Blinken disse na manhã de sábado ter ligado para sua contraparte russa, o ministro das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, e pedido mais uma vez por uma solução diplomática.

“Falei com o ministro das Relações Exteriores Lavrov hoje para pedir uma resolução diplomática para o aumento militar não provocado da Rússia em torno da Ucrânia. Reiterei que novas agressões russas seriam recebidas com uma resposta transatlântica resoluta, massiva e unida.”

LEIA TAMBÉM: DOCUMENTOS REVELAM FRUSTRAÇÃO DE MILITARES COM A CASA BRANCA COM A EVACUAÇÃO DO AFEGANISTÃO

Na sexta-feira (11) a Casa Branca disse para que americanos na Ucrânia “saiam imediatamente” nas próximas 24 a 48 horas devido à possibilidade real de invasão russa. A Grã-Bretanha diz a seus cidadãos o mesmo, assim como Israel. Os EUA teriam falado com aliados da OTAN na manhã desta sexta-feira, segundo a correspondente da Fox News no Pentágono Jennifer Griffin.

Durante coletiva de imprensa na tarde desta sexta-feira (11) na Casa Branca, o Conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse que já “estamos na janela [de tempo] quando uma invasão pode começar a qualquer momento”.


ATUALIZADO 08:28 am EST com a informação sobre a chamada entre Blinken e Lavrov

LEIA TAMBÉM

Leia também