EUA matam líder do Estado Islâmico na Síria; seis crianças também morreram na operação

ATUALIZAÇÃO: Informações sobre a morte de civis.

Forças Especiais dos EUA realizaram na madrugada desta quinta-feira (3) o que o Pentágono classificou como um ataque bem-sucedido de contraterrorismo em larga escala no noroeste da Síria. Socorristas no local relatam 13 pessoas mortas, incluindo seis crianças e quatro mulheres.

Segundo o próprio presidente Joe Biden, o líder do Estado Islâmico Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurayshi também foi morto durante o ataque.

“Ontem à noite, sob minha direção, as forças militares dos EUA realizaram com sucesso uma operação de contraterrorismo. Graças à bravura de nossas Forças Armadas, removemos do campo de batalha Abu Ibrahim al-Hashimi al-Qurayshi – o líder do ISIS.”, disse Biden em seu Twitter.

Moradores e ativistas da área descreveram ter visto um grande ataque terrestre e as forças dos EUA usando alto-falantes pedindo que mulheres e crianças deixassem a área, informou a Associated Press.

Segundo o Departamento de Defesa, os civis que morreram no local do ataque foram levados à morte com a detonação suicida de al-Qurayshi, que se explodiu ao notar o ataque.

O ataque noturno ocorreu na província de Idlib, a última parte da Síria controlada por rebeldes, perto da fronteira com a Turquia. A área também abriga vários agentes importantes da Al-Qaeda e outros grupos militantes.

“A missão foi bem-sucedida”, disse o secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, em um breve comunicado. “Não houve baixas nos EUA. Mais informações serão fornecidas assim que estiverem disponíveis.”

Imagens mostram um dos prédios atingidos pelo ataque americano.

A operação clandestina ocorre enquanto o grupo Estado Islâmico estava se restabelecendo na Síria e no Iraque, realizando alguns de seus maiores ataques desde que foi derrotado em 2019. Nas últimas semanas e meses, o grupo lançou uma série de operações na região, incluindo um ataque de 10 dias no final do mês passado para tomar uma prisão no nordeste da Síria.

LEIA TAMBÉM

Leia também