China suspende cooperação com EUA em várias áreas; Casa Branca convoca embaixador chinês

A China disse na sexta-feira que estava cancelando várias reuniões de defesa e suspendendo as principais negociações climáticas com os Estados Unidos após uma visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan nesta semana.

Pequim “suspenderá as negociações sobre mudanças climáticas China-EUA” e anulará os planos de uma ligação entre líderes militares, bem como duas reuniões de segurança, disse o Ministério das Relações Exteriores, citando o “desrespeito de Pelosi pela forte oposição e representações severas da China” na visita a Taiwan.

O Ministério das Relações Exteriores disse na sexta-feira, 5 de agosto, que estava suspendendo a cooperação com Washington no repatriamento de migrantes ilegais, assistência judicial e crimes transnacionais, bem como ações antidrogas.

Um dia depois de disparar mísseis sobre a ilha de 23 milhões de habitantes, a China enviou navios de guerra pela linha mediana do Estreito de Taiwan. O Exército de Libertação Popular também enviou ondas de aviões de guerra pela fronteira definida pelos EUA, disse o Ministério da Defesa de Taiwan, no terceiro dia consecutivo de exercícios militares chineses desde a visita de Pelosi.

O Ministério das Relações Exteriores da China também anunciou sanções não especificadas contra Pelosi e sua família pelo que alegam ter sido uma “provocação flagrante”. Embora em grande parte simbólica, a medida faz da presidente da Câmara a autoridade americana de mais alto escalão sancionada por Pequim.

ONU

O chefe da ONU, Antonio Guterres, acredita que é impossível enfrentar os maiores desafios do mundo sem a cooperação entre os Estados Unidos e a China, disse seu porta-voz na sexta-feira, 5 de agosto.

“Para o secretário-geral, não há como resolver os problemas mais prementes do mundo sem um diálogo e cooperação efetivos entre os dois países”, disse o porta-voz de Guterres, Stephane Dujarric

Antony Blinken

“A China optou por exagerar e usar a visita da presidente Pelosi como pretexto para aumentar a atividade militar provocativa dentro e ao redor do Estreito de Taiwan”, disse o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, na sexta-feira, 5 de agosto, em uma cúpula regional no Camboja, acusando a China de tentar mudar status quo no Estreito de Taiwan. “Não há justificativa para essa resposta militar extrema, desproporcional e escalada”.

Casa Branca Convoca Embaixador Chinês

O governo Biden convocou o embaixador chinês Qin Gang à Casa Branca na quinta-feira, 4 de agosto, para condenar as provocações de Pequim no Estreito de Taiwan, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional John Kirby.

“Após as ações da China durante a noite, convocamos o embaixador Qin Gang [da República Popular da China] à Casa Branca para orientá-lo sobre as ações provocativas da RPC”, disse Kirby.

“Deixamos claro ao embaixador que as ações de Pequim são de preocupação para Taiwan, para nós e para nossos parceiros em todo o mundo”, acrescentou Kirby. “Destacamos a declaração do G7 de ontem rejeitando a tentativa de Pequim de coagir e intimidar Taiwan e expressamos nosso apoio à declaração da ASEAN durante a noite sobre a importância de diminuir as tensões.”

Nancy Pelosi

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, disse na sexta-feira, 5 de agosto, que os Estados Unidos “não permitirão” que a China isole Taiwan.

A China, que vê Taiwan como parte de seu território, lançou seus maiores exercícios militares de todos os tempos ao redor da ilha depois que Pelosi desafiou ameaças da China para se tornar a autoridade norte-americana mais importante a pisar em solo taiwanês em anos.

“Não permitiremos que isolem Taiwan”, disse ela, acrescentando que sua viagem “não visava mudar o status quo” na região.

DDDDDDD

LEIA TAMBÉM

Leia também