Irmão de terrorista paquistanesa faz rabino e outros 3 como reféns no Texas

Um homem dizendo ser irmão de terrorista paquistanesa fez um rabino e outros três judeus reféns na tarde de sábado (15) na Congregação Beth Israel em Colleyville, Texas, enquanto demandava a libertação de sua irmã, uma terrorista condenada e presa em uma base aérea americana.

A ABC News informou que o sequestrador estava armado e alegou ter bombas em locais desconhecidos.

Citando uma autoridade americana informada sobre o assunto, a ABC disse que o homem afirmava ser irmão de Aafia Siddiqui – apelidada de “Lady Al-Qaeda” nos EUA – e exigia que ela fosse libertada da prisão.

Siddiqui, uma ex-cientista paquistanesa, foi condenada em 2010 por um tribunal de Nova York a 86 anos de prisão por tentativa de assassinato de militares americanos no Afeganistão.

A terrorista está encarcerada na Base Aérea de Carswell, perto de Fort Worth, no Texas. Siddiqui possui ligações concretas com a Al Qaeda.

O primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, disse estar monitorando o caso e pediu por orações.“Estou monitorando de perto a situação dos reféns na Congregação Beth Israel em Colleyville, Texas. Oremos pela segurança dos reféns e socorristas.”

Após a manifestação do primeiro-ministro israelense, a Secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que o presidente Joe Biden havia sido informado sobre a situação.

“[O presidente dos EUA] foi informado sobre o desenvolvimento da situação dos reféns na área de Dallas. Ele continuará recebendo atualizações de sua equipe sênior à medida que a situação se desenvolve. Membros seniores da equipe de segurança nacional também estão em contato com a liderança do FBI.”

Segundo a NBC News, o sequestrador fez o rabino chamar um rabino na cidade de Nova York. O objetivo da ligação era exigir novamente a libertação de Aafia Siddiqui. O rabino de Nova York ligou para o 911 e a NYPD está ciente do incidente.

O Departamento de Polícia de Los Angeles, na Califórnia, anunciou que aumentaria a presença policial nas sinagogas da cidade “como medida de precaução” à luz do sequestro em andamento na sinagoga no Texas.

Por volta das 8pm ET, o FBI confirmou que um dos reféns havia sido libertado sem ferimentos. O homem teria dito estar pronto para morrer.

Somente por volta das 11:30 pm ET o sequestro chegou ao fim, com todos os reféns resgatados e o sequestrador morto.

No fim da noite o presidente Joe Biden agradeceu às forças policiais e disse ser contra o anti-semitismo e o extremismo.

“Graças ao trabalho corajoso das autoridades estaduais, locais e federais, quatro americanos que foram mantidos reféns em uma sinagoga do Texas em breve estarão em casa com suas famílias.”

“Mas deixe-me ser claro para qualquer um que pretenda espalhar o ódio – vamos nos posicionar contra o antissemitismo e contra a ascensão do extremismo neste país. Isso é quem nós somos, e esta noite, os homens e mulheres da segurança pública nos deixaram orgulhosos.”

Malik Faisal Akram

O FBI identificou no domingo (16) o sequestrador que foi morto pela polícia após um longo impasse em uma sinagoga do Texas em 15 de janeiro como um cidadão britânico chamado Malik Faisal Akram.

Akram, 44, foi baleado e morto quando uma equipe da SWAT do FBI invadiu a sinagoga da Congregação Beth Israel em Colleyville, Texas, por volta das 21h. hora local, após um impasse de 10 horas em que quatro pessoas foram feitas reféns.

O chefe de polícia de Colleyville, Michael Miller, confirmou em uma entrevista coletiva no domingo que o suspeito havia sido morto pelos agentes.

Lady Al Qaeda

Reportagem da Foreign Policy de 2014 com o título “Lady al Qaeda: A Mulher Mais Procurada do Mundo.

Siddiqui, 47 anos, é conhecida nos círculos de contraterrorismo como “Lady Al Qaeda”, e foi ligada ao líder e arquiteto dos ataques terroristas de 11 de setembro Khalid Sheikh Mohammed e já esteve na lista de terroristas mais procurados do FBI.

Formada nos Estados Unidos – ela estudou no M.I.T. e recebeu um doutorado na Universidade Brandeis – Siddiqui foi presa em 2008 no Afeganistão carregando cianeto de sódio, bem como documentos descrevendo como fazer armas químicas e bombas e como transformar o Ebola em arma biológica. Quando o FBI e militares tentaram interrogar Siddiqui, ela pegou uma arma deixada na mesa de sua sala de interrogatório e disparou contra eles.

Embora as autoridades dos EUA nunca tenham considerado seriamente negociar Siddiqui, ela tem sido uma moeda de troca para terroristas e militantes islâmicos que fizeram de sua libertação uma condição para libertar vários prisioneiros americanos e europeus ao longo dos anos.

- PUBLICIDADE -

ÚLTIMAS