Endossado por Trump e criticado por eleitores do ex-presidente, Oz será o candidato republicano ao Senado pela Pensilvânia

David McCormick reconhece derrota e dá passagem ao médico-celebridade Dr. Mehmet Oz, entregando ao candidato endossado por Trump a indicação do Partido Republicano para a corrida ao Senado americano pela Pensilvânia.

A desistência de McCormick nesta sexta-feira, 3 de junho, ocorre em meio à recontagem dos votos das primárias estaduais do partido.

Oz, endossado por Trump, e McCormick acabaram em uma disputa acirrada, separados por menos de 1.000 votos e bem dentro das margens do estado para uma recontagem obrigatória, de 0.5%.

Foram 1,3 milhão de votos nas primárias republicanas deste ano com sete pré-candidatos – a diferença entre Oz e McCormick foi de aproximadamente 0,1 ponto percentual.

A corrida senatorial da Pensilvânia é tida com uma das mais importantes deste ano e vai ser acompanha de perto por republicanos e democratas de todo o país.

Resistência republicana

Mehmet Oz, apesar de apoiado por Trump, vem sendo duramente criticada por apoiadores do ex-presidente por razões como seu histórico de serviço militar na Turquia – Oz é também cidadão turco, e por ter mudado de opinião só recentemente sobre bandeiras conservadoras, como o aborto e transição de gênero.

Oponente democrata

O cardiologista de John Fetterman, atual vice-governador da Pensilvânia e o candidato escolhido pelos democratas para a disputa pela cadeira no Senado americano, disse na sexta-feira, 3 de junho, que o candidato democrata sofre de fibrilação atrial e cardiomiopatia, emitindo uma declaração que fornece mais informações sobre o que causou o derrame do vice-governador em maio.

Fetterman se internou em um hospital em Lancaster, Pensilvânia, em 13 de maio, quando estava a caminho de um evento de campanha.

Fetterman havia sofrido um derrame e os médicos usaram uma trombectomia, um procedimento em que os médicos acessam o corpo do paciente pela virilha e enrolam cateteres até o coágulo, para tratá-lo. Fetterman venceu a primária democrata no Senado em 17 de maio enquanto ainda estava no hospital, onde também foi submetido a uma cirurgia de quase três horas no mesmo dia para implantar um desfibrilador.

Ele foi liberado do hospital em 22 de maio após uma internação de nove dias.

LEIA TAMBÉM

Leia também